Notícias
O que deve saber sobre o mercado imobiliário
Notícias
Voltar \ Estado ajuda empresas a pagar rendas!

Estado ajuda empresas a pagar rendas!

13 dez 2020
Estado ajuda empresas a pagar rendas!
As empresas que perderam mais de 25% da faturação devido à pandemia vão ter uma ajuda do Governo a pagar as rendas. Saiba quanto pode receber com estas simulações.

O Governo vai ajudar as empresas afetadas pela pandemia a pagarem a renda, dependendo da quebra de faturação que estas tenham tido em comparação com o ano passado. As perdas face ao período homólogo têm de ser superiores a 25%, mas o apoio dado pelo Governo nunca ultrapassará os 2.000 euros.

Há duas condições fundamentais. A primeira diz que tem de haver uma quebra de faturação superior a 25% face ao ano passado. Neste caso, o Governo vai suportar 30% do valor mensal da renda até um máximo de 1.200 euros.

Vejamos um exemplo: um café com uma renda de 700 euros, e que tenha perdido mais de 25% da faturação devido à pandemia, vai receber 210 euros mensais (30% da renda), num total de 1.260 euros em seis meses.

Já no caso de uma renda mais elevada, por exemplo 3.200 euros, o valor a receber será de 960 euros mensais, num total de 5.760 euros em seis meses. No caso de a renda ser de 4.000 euros, o apoio chegará ao máximo previsto, de 1.200 euros.

O outro patamar de apoio, mais elevado, inclui as empresas que tenham tido uma quebra de faturação superior a 40%. Aqui, o Governo vai suportar 50% do valor da renda até um máximo de 2.000 euros mensais.

Vejamos outro exemplo: o mesmo café paga a mesma renda de 700 euros, mas perdeu 40% da faturação face ao ano passado. Nesse caso, irá receber 350 euros mensais (50% da renda), num total de 2.100 euros em seis meses.

Já num caso de uma renda mais elevada, por exemplo 3.200 euros, o valor a receber será de 1.600 euros mensais, num total de 9.600 euros em seis meses. Uma renda de 4.000 euros receberá um apoio de 2.000 euros, perfazendo um total de 12 mil euros ao final dos seis meses em que este apoio vai vigorar.

O Governo definiu os 4.000 euros como teto máximo porque, como explicou o ministro da Economia, esse valor “corresponde a 95% ou mais das rendas comerciais em todo o país”.

No caso de as rendas serem superiores a esse valor de 4.000 euros, haverá apoios, mas estes nunca serão superiores aos tetos máximos definidos: 1.200 euros com quebra de mais de 25% da faturação e 2.000 euros com quebra de mais de 40% da faturação.

Como se vê nas duas simulações realizadas pelo ECO, uma empresa com uma renda de 4.000 euros vai receber o mesmo apoio que uma empresa com uma renda de 6.000 euros, por exemplo.

Fonte: eco.sapo.pt/Rita Neto

Veja Também